TJAL na Bienal - 08/11/2019 - 20:29:39
Feminismo e mercado de trabalho é tema debatido na Bienal do Livro
Magistrada Lígia Mont Alverne e a servidora Andrea Santa Rosa conversaram com o público sobre o machismo velado e sororidade

Juíza Lívia Mont Alverne e a servidora Andrea Santa Rosa conduziram os debates sobre feminismo. Foto: Anderson Moreira Juíza Lívia Mont Alverne e a servidora Andrea Santa Rosa conduziram os debates sobre feminismo. Foto: Anderson Moreira

O tema ?Feminismo: os desafios das mulheres no ambiente de trabalho? movimentou, nesta sexta-feira (8), o estande da Escola Superior da Magistratura de Alagoas (Esmal) e da Associação Alagoana de Magistrados (Almagis). A juíza Lígia Mont Alverne e a servidora Andrea Santa Rosa conversaram com o público sobre a existência do machismo velado no mercado de trabalho e a importância da sororidade.

Para a juíza Lígia Mont Alverne, o número de mulheres em profissões predominantemente masculinas tem aumentado, mas ainda está longe de equiparar com o número de homens. ?É um fator histórico que as mulheres exercem uma função em menor quantidade no Poder Judiciário. A advocacia era predominantemente exercida pela por homens, assim como na magistratura, na Promotoria de Justiça, entre outras carreiras jurídicas. Com o concurso público, o acesso das mulheres aumentou?, avaliou a juíza ao relembrar o início de muitas profissões.

A servidora Andrea Santa Rosa explicou que durante muito tempo existiu o pensamento de que as mulheres são rivais, que não era bom trabalhar com elas e a sororidade veio desconstruir essa ideia. ?Nós somos irmãs, caminhamos juntas e é importante uma mulher apoiar a outra. A conquista de uma é a conquista de todas?, disse.

De acordo com a servidora, atualmente o machismo no ambiente de trabalho é mais velado, mas não quer dizer que ele não existe e embora não seja mais tão agressivo e evidente como antigamente, ainda se faz presente e continua sendo prejudicial para as mulheres.

?Antes, o machismo era algo mais forte, o assédio sexual no trabalho era mais escancarado, era algo físico, ou então declaradamente 'mulheres não podem ocupar determinados postos'. Hoje, existem as chamadas microviolências, as mulheres são mais interrompidas do que os homens, as ideias delas muitas vezes são apropriadas por eles e são coisas mais sutis. E muitas vezes, nós mulheres, ficamos naquela: 'será que eu estou fantasiando'??, comentou Andrea.

Durante a conversa, a juíza Lígia Mont Alverne também destacou que independentemente da área de trabalho, não é o gênero que vai determinar a competência e a qualidade do profissional, mas sim a pessoa que está atuando. Para a magistrada, incentivar outras mulheres a lutarem por seus sonhos é estimulante.

?Nós vemos constantemente nos júris, estudantes jovens que ainda não ingressaram no mercado de trabalho. Na medida que elas assistem, fazem parte desse ambiente vendo uma magistrada, criam mais confiança e até mesmo ampliam seus horizontes, adquirindo mais vontade de entrar para o meio jurídico?, contou.

A médica Maylis Dantas, que nasceu em Alagoas, mas morou desde criança até junho deste ano no Rio de Janeiro, participou da roda de conversa e falou que sentiu o machismo mais evidente em nosso estado, principalmente em áreas mais vulneráveis, como em comunidades carentes e na zona rural. Maylis também falou sobre o machismo sofrido no ambiente de trabalho.

?Muitas mulheres estão inseridas na sociedade patriarcal e não percebem o quanto o machismo as atingem, inclusive dentro do ambiente de trabalho. É muito comum ver mulheres, principalmente as mais velhas, falarem que não sofrem com isso. E desde o mercado de trabalho, eu como médica já percebi claramente que quando tem um médico e uma médica muitas pessoas, como técnicos de enfermagem e enfermeiros, conseguem achar que o trabalho do homem é melhor ou se sentem mais seguros para trabalhar com eles do que com uma mulher?, revelou.

Robertta Farias ? Dicom TJAL
imprensa@tjal.jus.br ? (82) 4009-3240 / 3141


Curta a página oficial do Tribunal de Justiça (TJ/AL) no Facebook e acompanhe nossas atividades pelo Twitter. Assista aos vídeos da TV Tribunal, visite nossa Sala de Imprensa e leia nosso Clipping. Acesse nosso banco de imagens. Ouça notícias do Judiciário em nosso Podcast.