Esmal - 02/06/2016 - 15:02:04
Palestra na Escola da Magistratura discute combate e prevenção às drogas
Evento, com o nome ?Justiça, Drogas e Políticas Públicas?, foi realizado na manhã desta quinta-feira (2) e teve participação da especialista em dependência química, Maria de Fátima Padin

Evento ocorreu no auditório da Escola, no bairro do Farol, em Maceió. Evento ocorreu no auditório da Escola, no bairro do Farol, em Maceió. Foto: Pedro Neto
Palestra na Escola da Magistratura discute combate e prevenção às drogas

    ?Eu vi uma luz no fim do túnel?. Foi assim que a coordenadora de uma escola no Cepa, Aparecida Ferreira, saiu da palestra promovida no auditório da Escola Superior da Magistratura de Alagoas (Esmal) sobre ?Justiça, Drogas e Políticas Públicas?, nesta quinta-feira (2). 

    Aparecida estava angustiada com a situação das mães e pais dos alunos de sua escola, que diariamente convivem com filhos envolvidos com álcool e drogas. ?O evento foi muito importante porque me permitiu ter uma luz, uma ideia para tentar mudar a realidade desses pais que sofrem tanto?, disse.

    O evento fez parte do Programa Cidadania e Justiça na Escola (PCJE), coordenado pelo juiz Hélio Pinheiro Pinto, que, só neste ano, beneficiou mais de dois mil estudantes de 25 escolas públicas do Estado, em parceria com o Fórum Permanente de Combate às Drogas.

    ?A gente sabe que a política brasileira de combate às drogas não tem surtido grandes efeitos, tanto que a cada dia a gente vê um aumento da oferta e também do consumo, por isso é essencial tentar conscientizar a sociedade sobre os riscos disso?, afirmou o juiz Hélio Pinheiro. Para ele, promover debates sobre os riscos da dependência química é uma tarefa fundamental do Judiciário.

    A presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Alagoas, Fernanda Marinela, participou da discussão. ?Cerca de 90% da criminalidade hoje está ligada direta ou indiretamente às drogas e o trabalho preventivo é a grande saída. Não teremos como conter essa situação se não trabalharmos de forma preventiva?.

Panorama

    A doutora em Ciências pelo Departamento de Psiquiatria e Psicologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e especialista em dependência química, Maria de Fátima Padin, foi a palestrante de honra do dia. Utilizando o Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (LENAD), ela fez um panorama sobre o consumo dessas substâncias no Brasil, entre os jovens.

    Segundo o último LENAD, realizado em 2012, o álcool é a substância psicoativa mais usada por jovens entre 14 e 18 anos e a maconha é a substância ilícita mais utilizada. Ainda de acordo com o estudo, quase seis milhões de brasileiros já usaram cocaína, 3% deles adolescentes, o que representa 442 mil jovens. O consumo de crack no Brasil é o maior do mundo e o País ainda representa o segundo maior mercado de cocaína do planeta.

    Para Maria de Fátima, a prevenção é a forma mais indicada de combater a dependência química. ?Nem todos os jovens bebem, mas os que bebem, bebem muito e isso é a porta de entrada para outras substâncias. O álcool é vendido deliberadamente em todos os estabelecimentos, não há uma fiscalização efetiva e esse é o maior método de prevenção que pode existir em um estado?, explicou.

    Ainda segundo ela, é preciso mudar a forma como a sociedade e os governos lidam com as políticas sobre as drogas. ?Hoje em dia, o foco está na dependência química. Precisamos dar um passo atrás e ampliar o nosso olhar para uma coisa que é, em tese, mais fácil de ser combatido, que é prevenir o uso?. 

    Para tentar reduzir esses índices, a solução apresentada passa por uma participação maior da sociedade também durante a discussão da elaboração de políticas públicas no Estado. ?Esse momento é quando se discutem as metas que o governo estipula para serem seguidas e elas são feitas em audiências públicas que pouquíssimas pessoas participam?, disse o deputado estadual Rodrigo Cunha.

    ?Quando olhamos para os recursos destinados e vemos que, para 2016, quase 90% desse valor é voltado para o tratamento de pessoas que já estão no mundo das drogas, percebemos o quanto é importante a mobilização de toda a sociedade para tentar mudar essa realidade?.

Pedro Neto - Dicom TJ/AL
imprensa@tjal.jus.br - (82) 4009-3141/3240


Curta a página oficial do Tribunal de Justiça (TJ/AL) no Facebook e acompanhe nossas atividades pelo Twitter. Assista aos vídeos da TV Tribunal, visite nossa Sala de Imprensa e leia nosso Clipping. Acesse nosso banco de imagens. Ouça notícias do Judiciário em nosso Podcast.